As 8 fases da Terapia EMDR

Introdução à Terapia EMDR

A dessensibilização e reprocessamento com movimentos oculares (EMDR) é uma forma de terapia que ajuda as pessoas a se curarem de traumas e outras experiências angustiantes de vida. É uma abordagem terapêutica amplamente pesquisada e comprovada cientificamente para o tratamento de traumas. Depois que o terapeuta e o paciente concordam que a terapia EMDR é uma boa opção e começam a trabalhar juntos, o paciente será orientado a se concentrar em um evento específico –  uma imagem negativa, crença e sentimento corporal relacionados a esse evento, e depois a uma crença positiva que indicaria que os problemas foram resolvidos.

Enquanto o paciente se concentra no evento perturbador, o terapeuta inicia séries de movimentos, sons ou toques de um lado para o outro (estimulação bilateral). O paciente será orientado a perceber o que vem à mente após cada série de estimulação. Eles podem relatar mudanças na percepção ou alterações nas imagens, sentimentos ou crenças em relação ao evento. O paciente tem controle total para interromper o terapeuta a qualquer momento, se necessário. As séries de movimentos oculares, sons ou toques são repetidos até que o evento se torne menos perturbador.

Um terapeuta treinado em EMDR usa um protocolo padronizado dividido em 8 fases, com ajustes possíveis, em função do paciente (idade, escolaridade). Cada fase é descrita abaixo:

8 fases do tratamento com EMDR

O tempo que o tratamento completo levará depende do histórico do paciente. O tratamento completo dos alvos envolve um protocolo de três etapas (passado, presente e futuro) e são necessários para aliviar os sintomas e abordar o quadro clínico completo. O objetivo da terapia com EMDR é processar completamente as experiências que estão causando problemas e incluir novos recursos necessários para a saúde integral. “Processar” não significa falar sobre o assunto. “Processar” significa estabelecer um estado de aprendizado que permita que as experiências causadoras problemas sejam “digeridas” e armazenadas adequadamente em seu cérebro. Isso significa que aquilo que for útil em uma experiência será aprendido e armazenado com emoções apropriadas em seu cérebro, e isso será capaz de guiá-lo com uma atitude positiva em relação ao futuro. As emoções, crenças e sensações corporais inadequadas serão descartadas. Emoções, sentimentos e comportamentos negativos são geralmente causados ​​por experiências anteriores não resolvidas que o levam a direções erradas. O objetivo da terapia EMDR é deixá-lo com as emoções, o entendimento e as perspectivas que levarão a comportamentos e a interações saudáveis ​​e adaptativas.

Embora o EMDR possa produzir resultados mais rapidamente do que outras terapias, o tratamento não é uma questão de velocidade; é importante lembrar que cada paciente tem necessidades diferentes. Por exemplo, um paciente pode levar semanas para estabelecer sentimentos suficientes de confiança (Fase 2), enquanto outro pode prosseguir rapidamente pelas seis primeiras fases do tratamento, apenas para dar-se conta de algo ainda mais importante que precisa ser tratado.

Fase 1: Histórico do Paciente e Planejamento do Tratamento:

Essa fase geralmente leva de 1 a 2 sessões no início da terapia para pacientes com transtorno de estresse pós traumático simples e pode continuar durante toda a terapia, especialmente se novos problemas surgirem. Na primeira fase do tratamento do EMDR, o terapeuta procede ao levantamento de um histórico completo do paciente e desenvolve um plano de tratamento. Essa fase incluirá uma discussão sobre o problema específico que o levou à terapia, os comportamentos e sintomas decorrentes desse problema. Com essas informações, o terapeuta desenvolverá um plano de tratamento que define os alvos específicos sobre os quais tratar com o EMDR. Esses objetivos incluem os eventos do passado que criaram o problema, as situações atuais que causam angústia e as principais habilidades ou comportamentos que o paciente precisa aprender para seu futuro bem-estar. Uma das características incomuns do EMDR é que a pessoa que procura tratamento não precisa discutir nenhuma de suas memórias perturbadoras em detalhes. Portanto, enquanto algumas pessoas se sentem à vontade e até preferem fornecer detalhes específicos, outras pessoas podem apresentar uma imagem ou esboço geral. Quando o terapeuta pergunta, por exemplo, “Que evento você lembra que fez se sentir inútil ?” a pessoa pode dizer: “Foi algo que meu irmão fez comigo”. Essa é toda a informação que o terapeuta precisa para identificar e direcionar o evento com o EMDR.

Fase 2: Preparação: 

Para a maioria dos pacientes, essa fase dura entre 1 e 4 sessões. Para outros, com antecedentes muito traumatizados ou com certos diagnósticos mais complexos, pode ser necessário mais tempo. Nesta fase, o terapeuta ensinará algumas técnicas específicas para que você lide rapidamente com qualquer distúrbio emocional que possa surgir. Se você puder fazer isso, geralmente prosseguiremos para a próxima fase. Um dos principais objetivos da fase de preparação é estabelecer uma relação de confiança entre paciente e terapeuta. Embora a pessoa não precise entrar em grandes detalhes sobre memórias perturbadoras, se o paciente do EMDR não confiar no terapeuta, pode não informar exatamente quais são seus sentimentos e o que muda (ou não) durante a estimulação bilateral. Se o paciente quer apenas agradar o terapeuta e diz que se sente melhor quando não for o caso, nenhuma terapia resolverá a lembrança traumática do paciente. Em qualquer forma de terapia, é melhor considerar o terapeuta como um facilitador ou guia que precisa ouvir qualquer mágoa, necessidade ou decepção para ajudar a alcançar o objetivo comum (não gostei desse trecho – parece ameaça). A terapia com EMDR é muito mais do que apenas movimentos oculares, e o terapeuta precisa saber quando empregar qualquer um dos procedimentos necessários para manter o processamento em andamento. Durante a fase de preparação, o terapeuta explicará a teoria do EMDR, como isso é feito e o que a pessoa pode esperar durante e após o tratamento. Finalmente, o terapeuta ensinará ao paciente uma variedade de técnicas de relaxamento para acalmar-se diante de qualquer distúrbio emocional que possa surgir durante ou após uma sessão. Aprender essas ferramentas é uma ajuda importante para qualquer pessoa. Pessoas felizes desenvolvem maneiras de relaxar diante dos estresses da vida. Um objetivo da terapia com EMDR é garantir que o paciente possa cuidar de si mesmo.

Fase 3: Avaliação:

Nesta fase, o paciente será solicitado a acessar cada alvo (lembrança perturbadora) de maneira controlada e padronizada, para que possa ser efetivamente processado.

Processar não significa falar sobre a recordação. Consulte a seção de Dessensibilização a seguir. O terapeuta de EMDR identifica diferentes partes do alvo a serem processadas. Na primeira etapa o paciente seleciona uma imagem mental específica do evento alvo (que foi identificado durante a Fase 1) que melhor representa a memória perturbadora. Então escolhe uma afirmação que expressa uma crença negativa associada ao evento. Mesmo que o paciente saiba intelectualmente ser a afirmação falsa, é importante que ele se concentre nela. Essas crenças negativas são na verdade verbalizações das emoções perturbadoras que ainda existem. As cognições negativas comuns incluem afirmações como “sou impotente”, “sou inútil”, “sou culpado”, “estou em perigo”, “sou descontrolado” etc. O paciente então escolhe uma crença positiva em que ele preferiria acreditar. Essa afirmação deve incorporar um senso interno de controle, como “Sou digno / mereço coisas boas / sou uma boa pessoa / estou no controle” etc . Às vezes, quando a emoção primária é o medo, como após um desastre natural, a cognição negativa pode ser “Estou em perigo” e a cognição positiva pode ser “Estou a salvo agora”. “Estou em perigo” pode ser considerada uma cognição negativa, porque o medo é inadequado – está trancado no sistema nervoso, pois o perigo está no passado. A cognição positiva deve refletir o que é realmente apropriado no presente. Nesse ponto, o terapeuta solicitará que a pessoa calcule o quão verdadeira é uma crença positiva, usando-se a escala 1 a 7 de Validade da Cognição (Validity of the Cognition VoC). “1” é igual a “completamente falso” e “7” é igual a “completamente verdadeiro”. É importante dar uma pontuação que reflita como a pessoa “sente”, não “pensa” essas palavras. Podemos logicamente saber que algo está errado, mas somos mais motivados pelo sentimento. Além disso, durante a Fase de Avaliação, a pessoa identifica as emoções negativas (medo, raiva) e as sensações físicas que acompanham essas emoções (aperto no estômago, mãos frias) e que o estão associados ao alvo. Além da crença positiva, o paciente também classifica a emoção, mas emprega uma escala diferente denominada SUDS (Escala de Unidades Subjetivas de Perturbação). Essa escala ajuda o paciente a classifica o nível de emoção, considerando-se 0 (sem perturbação) a 10 (a pior intensidade possível). O objetivo do tratamento do EMDR, nas fases seguintes, é que os escores de perturbação SUD diminuam, enquanto os escores de VoC de crenças positivas aumentem.

Reprocessamento: Para trauma único, o reprocessamento geralmente pode ser realizado em aproximadamente 3 sessões. Se demorar mais, algumas melhorias serão observadas nesse período de tempo. As fases de 1 a 3 lançam as bases para o tratamento abrangente e o reprocessamento dos eventos específicos. Embora os movimentos oculares (ou toques ou tons) sejam utilizados durante as três fases seguintes (4 a 6), eles são apenas um dos componentes de uma abordagem terapêutica complexa. O passo a passo do uso da abordagem em oito fases permite que o terapeuta experiente e treinado em EMDR maximize os efeitos do tratamento para o paciente, de maneira lógica e estruturada. Ele também permite que paciente e terapeuta monitorem o progresso durante cada sessão de tratamento.

Fase 4: Dessensibilização:

Essa fase concentra-se nas emoções e sensações perturbadoras do paciente, com base nas medidas da classificação SUD. Essa fase lida com todas as respostas da pessoa (incluindo outras memórias, idéias e associações que possam surgir), à medida que o evento alvo muda e seus elementos perturbadores são resolvidos. Essa fase oferece a oportunidade de identificar e ressignificar eventos semelhantes que possam ter ocorrido e estão associados ao trauma. Dessa forma, um paciente pode realmente alcançar seus objetivos iniciais e conscientizar-se de superar suas expectativas. Durante a dessensibilização, o terapeuta acompanha a pessoa por séries de estimulações bilaterais (oculares, sons ou batidas), até que seus níveis na escala SUD sejam reduzidos a zero (ou 1 ou 2, se for mais apropriado). Começando com o alvo principal, incentiva-se o paciente a observar as diferentes associações em relação à memória trabalhada. Por exemplo, uma pessoa pode começar com um evento horrível e em breve acessar outras associações mais positivas em relação ao alvo inicial. O terapeuta orientará o paciente para uma resolução completa do alvo.

Fase 5: Instalação:

O objetivo é concentrar-se e aumentar a força da crença positiva que o paciente identificou para substituir sua crença negativa original. Por exemplo, o paciente pode começar com uma imagem mental de ser espancado pelo pai ou com uma crença negativa de “não tenho poder”. Durante a fase de dessensibilização, o paciente reprocessa o terror daquele evento infantil e percebe que, quando adulto, ele agora tem forças e escolhas que não existiam quando jovem. Durante a quinta fase do tratamento, a cognição positiva dessa pessoa, “agora estou no controle”, pode ser fortalecida e instalada. A cognição positiva é então medida com a escala de validade da cognição (VoC). O objetivo é que a pessoa aceite a verdade completa de sua auto-afirmação positiva no nível 7 (completamente verdadeiro). Felizmente, assim como o EMDR não pode fazer com que alguém se desvencilhe de sentimentos negativos adequados, também não pode fazer a pessoa acreditar em algo positivo que não seja apropriado. Portanto, se a pessoa está ciente de que realmente precisa aprender alguma nova habilidade, como treinamento de autodefesa, para estar realmente no controle da situação, a validade dessa crença positiva aumentará apenas para o nível correspondente, como 5 ou 6 na escala VoC.

Fase 6: Varredura corporal:

Depois que a cognição positiva for fortalecida e instalada, o terapeuta solicitará à pessoa que traga à mente o evento-alvo original e verifique se há alguma tensão residual no corpo. Eventuais sensações físicas são então focadas para reprocessamento. Avaliações de milhares de sessões de EMDR indicam que há reações físicas a pensamentos não resolvidos. Essa descoberta foi apoiada por estudos independentes de memória, indicando que quando uma pessoa é afetada negativamente por trauma, as informações sobre o evento traumático são armazenadas na memória corporal (memória motora), em vez da memória narrativa, e retidas as emoções negativas e as sensações físicas do evento original. Quando essas informações são processadas, no entanto, elas podem passar para a memória narrativa (ou verbalizável) e as sensações corporais e sentimentos negativos associados a ela desaparecem. Portanto, uma sessão EMDR não é considerada bem-sucedida até que o paciente possa trazer o alvo original à consciência sem sentir tensão corporal. Crenças positivas instaladas são importantes, mas precisam ser aceitas para além de um nível puramente intelectual.

Fase 7: Encerramento:

Essa fase encerra todas as sessões de tratamento. O fechamento garante que a pessoa saia ao final de cada sessão sentindo-se melhor do que no início. Se o processamento do alvo referente ao evento traumático não for concluído em uma única sessão, o terapeuta ajudará o paciente a usar uma variedade de técnicas de auto-tranquilização, a fim de recuperar o senso de equilíbrio. Durante a sessão do EMDR, o paciente esteve no controle (por exemplo, o paciente é instruído a levantar a mão com pedido de “parada” a qualquer momento) e é importante que o paciente continue sentindo-se no controle fora do consultório do terapeuta. Esclarecemos ao paciente o que esperar entre as sessões (certo nível de processamento pode continuar a ocorrer após a sessão, algum material novo pode surgir à consciência). Pode-se registrar essas experiências em um diário e praticar técnicas de tranquilização administração da vida fora da sessão de terapia.

Fase 8: Reavaliação:

Essa fase reabre todas as novas sessões. No início das sessões subsequentes, o terapeuta verifica se os resultados positivos (baixos níveis de perturbação, VoC alto, sem tensão corporal) foram mantidos, identifica novas áreas que precisam de tratamento e continua reprocessando conteúdos para o alcance de objetivos adicionais. A fase de reavaliação orienta o terapeuta através dos planos de tratamento necessários para lidar com os problemas do paciente. Como em qualquer forma de boa terapia, a Fase de reavaliação é vital para determinar o sucesso do tratamento ao longo do tempo. Embora os pacientes possam sentir alívio quase imediatamente com o EMDR, é fundamental percorrer as oito fases do tratamento para ressignificação integral das dificuldades apresentadas.

fonte: EMDRIA

Tell Us What You Think
0Like0Love0Haha0Wow0Sad0Angry

0 Comentário

Deixe um comentário

Bitnami